01/12/2010

Cartas de Lille IX

De repente todas as escolhas se tornaram caminhos errados. Entre uma esquerda e uma direita, eu fui nas duas direcções. Estou ainda ofegante e sei agora que o cansaço foi todo ele vão, porque no fundo nunca saí do mesmo lugar. Tenho saudades de mim própria. Saudades de ser inteira. Dizem que soltar amarras e partir sozinha me encheu de tudo, mas ninguém fala disto que em mim se rompeu e me impede de estar perto ou longe de ti.
Eu hoje só queria voltar a casa. Voltar ao calor de uma avó que nunca nos pediu nada. Voltar à pele daquele Verão em Barcelona quando chuva e sol nos abraçavam em simultâneo. Voltar àquela noite sem maquilhagem ou expectativas quando a minha vida mudou sem eu saber.
Sinto-me partida. Não consigo voltar a Portugal, mas também não consigo ficar aqui. Sinto-me sozinha. A viver de intervalos de memória onde ninguém sabia quem eu era e por isso todos me podiam amar. Hoje sou o rasto queimado e flagrante de uma mulher que desprezo e lamento. Sou uma anedota para todos os homens que nalgum lugar me tocaram o cabelo e me fingiram dar a mão. O frio que nos mata vem de dentro e não se acalma com o calor de um segundo corpo. Revejo-me em flashes que nunca tive antes e sei finalmente que só queria que me protegesses de mim própria, do meu egoísmo e desta vontade visceral de me apaixonar. Perdoar-me será então o mais difícil dos passos. Perdoar-me e deixar a tristeza e o despeito cicatrizarem. Depois, enfim, voltar a fazer as malas e continuar à procurar o meu lugar.

4 comentários:

Mykas0 disse...

Normalmente eu não faria isto, mas hoje faço-o por, bem, nem sei muito bem porquê. Não é importante.

Fecha os olhos. A sério, fecha-os para te livrares das ilusões que este mundo físico tanto gosta de oferecer. Então, e sem ilusões parvas, onde queres tu estar? Não digo hoje, não digo agora; a vida não é instante, não é um passado nem um futuro, é o preciso momento em que lês esta linha.

Agora, o que queres tu? Podes ter até o mundo e as estrelas, mas no final tudo depende daquilo que tu queres ao acordar, depois do almoço, antes da ceia, etc. Entende, então, que és digna de ser amada, a mais perfeita das mulheres que habitam este mundo, e que só não ficará contigo quem será cego, tal como somente tudo não correrá pelo mehor se tu própria não o quiseres.


Agora, por respeito a mim, rejeita esta mensagem. Por favor.

Filipe Oliveira disse...

Paz, Saúde e Amor.
Um ano de 2011 cheio de desafios concretizados.

KGT disse...

Pra se amar têm que se conhecer, pra se conhecer têm que se estar atento aos seus próprios pensamentos. O ideal é ter disciplina: ler poesia, escutar boa música, admirar-se diante da vida, ter bons pensamentos, somente assim, gostará de sua própria companhia e amar a si mesma e te digo, como é bom amar a si próprio!!! Abraços

Mikhael disse...

Pois é... às vezes dá-nos jeito acreditar que somos pontos fixos e que tudo gira em nosso torno.

Não é fácil esquecer a vertigem do rodopio colorido daquele carrossel outrora do tamanho do mundo.



Sobre egoísmos adoro dar palestras e lá vou fingindo que não dou conta do desinteresse de uma plateia que, por muito que se transfigure...

...pois, tu sabes.









Procura... mas permite-te também ser encontrada.
Conheço o gozo de nos trairmos a nós próprios e um mentiroso reconhece facilmente outro.










;)