26/05/2008

Cartas de Coimbra X




Olha, sabes que mais? Há partes do que sou que nunca vais querer entender. A cor do ritmo brasileiro, as vozes que coloriam a rádio quando eu era nova. A nostalgia que fica quando não ouvíamos as músicas da nossa vida há tanto tempo. A vontade louca de dançar à chuva e de te puxar para rires comigo do mundo. A Daniela, a nobreza da leveza de espírito, o querer-me tão capaz de voar. A simplicidade quase ridícula das letras. Uma realidade tão assim, tão diferente. A vontade dormente de uma liberdade de gestos incomparável com o que tivemos até agora. Consegues imaginar?

Tenho uma saudade imensa de dançar. De dançar com os cabelos soltos, no meio da rua, de dançar como quem deixa a vida rolar ao sabor dos dias. Sacudir estrelas, sorrir e mexer com quem passa, rodar uma saia de braços abertos e, sem dar conta, tudo já ter valido a pena por este nosso momento de insaniedade. Ser atrevida! Possuir nas mãos e no corpo todo o olhar de um homem apaixonado. As nuvens a soprar em nós uma forma de vida que nunca antes nos tinha sabido tão bem.

Suponho que não, que não consegues imaginar tal coisa. Mas acho que não faz mal assim.







Música - Bandeira Flor, Daneiela Marcury

2 comentários:

Vanessa disse...

ui... tantas e tantas vezes dancei esta música a rodar uma saia de braços abertos... :)

e entendo, quando ainda ouço estes ritmos brasileiros (que a maior parte das pessoas DIZ que não gosta) levanto-me onde quer que esteja e já não quero saber do resto do mundo! é contagiante: lá se vai a vergonha... eheheheh! e sabe tão bem dançar acompanhada... ai ai!

beijinho grande* (foi bom recordar! :p)

tb disse...

Gosto das cartas que escreves. :)
jinho